segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O desbotar do mundo cor-de-rosa.

O mundo cor-de-rosa se olha no espelho
e o espelho lhe diz:o rosa está desbotando...
Parece que a chuva foi muito forte, ou então , a roupa foi lavada inadequadamente, isso não importa mais.O Rosa está desbotando, e não há como evitar.
Ou será que há?
Será possível que aquele rosa que tanto nos encantava, que tanto nos fazia sonhar,agora palidamente irreconhecível, nunca mais será como antes?
Ou só agora pudemos perceber que a nitidez q víamos aquela cor, a certeza que aquilo era realmente rosa, não passava de um delírio coletivo?
Há como revitalizá-lo?
Há formas de evitar,ao menos. que ocorra sua total despigmentação?
Alguns dizem "Sim! é possível recuperar e intensificar a coloração original"
Muitos dizem "Não,o desbotar é um processo irreversível e de velocidade crescente,caminhamos inevitavelmente para o seu completo empalidecimento"
Talvez pensar nisso não seja a solução...
Quem sabe não seria melhor esperar o rosa desbotar por completo, pra que possamos, todos juntos ,repintar o mundo de outra cor?
Cor essa que todos possam ver, todos possam sentir, e , principalmente, seja o resultado da escolha de todos.
E assim, quem sabe acharemos uma tonalidade universal, talvez com tonalidade não tão intensa, de forma que as vezes, nem nós mesmos saberíamos que cor seria.
Mas que, em todas as ocasiões que olhássemos e sentíssemos o mundo a nossa volta, pudéssemos ter a certeza ao dizer "este é o nosso mundo".

3 comentários:

Kaká. disse...

E também se cada pessoa tentasse a cada dia que passa revitalizar a sua cor, talvez conseguissemos uma cor universal =D
lindo mesmo o q vc escreveu beijao

Patrícia Romiti disse...

O bom poeta é aquele que consegue traduzir o sentimento mais profundo das pessoas.Nesta poesia você consegue traduzir com arte e delicadeza as ilusões e os sonhos que adentram o ser humano e que muitas vezes desmoronam...é a cor que desbota e que volta a ser colorida,no próximo sonho ou na próxima ilusão...e essa é muito peculiar,cada um tem a sua...
Parabéns poeta amigo!Adoro-te
Beijos!
Patrícia

Fernando disse...

a cor da coletividade humana me parece algo interessante a se pensar.

a arte em nossos dias parece-me pintá-la em escuros tons de cinza...

mas o que há de não estar inserido em ciclos infindáveis? por tanto já passou este nosso meio e nossa colega, a humanidade: guerras, paz, aumentos e decréscimos em criminalidade, doenças, saúde, datas de fim-dos-tempos, depressões, eferverscências de espiritualidade, urbanização, movimentos artísticos diversos de volta ao bucolismo, formas-de-governo, formas-de-família, fórmulas prontas para a felicidade, utopias diversas, sonhos, pesadelos, conquistas, derrotas, saltos para a frente, recuos bruscos e etc.

e por quantos mais fenômenos destes os seres deverão passar? o que realmente é a vida sem nada disso? as pessoas estão sempre pintando o mundo, é o que fazemos.
se o vemos, é porque tem alguma cor...