terça-feira, 15 de abril de 2008

Se eu pudesse

Seu pudesse, traduziria em código verbal tudo que sinto agora.
Falaria dos meus medos, dos conflitos internos, das contradições ligadas à minha essência...
Se houvessem palavras capazes de dizer tudo...Traduziria,com todas as possíveis palavras existentes, o que sempre quis mostrar, e todos poderiam sentir, ao me ler, a profundidade da minha dor angustiante de tanta matéria escura que absorvo dês dos dias em que tive consciência de onde estava, mesmo que até hoje não saiba o que faço por aqui.
Se a linguagem me permitisse,seria possível entender as razões de minhas lágrimas ou empolgação extasiante...e não mais me olhariam como um louco exagerado...
Se ao menos existisse uma forma de me transmitir ao mundo...eu mostraria toda minha intensidade, turbulência e profundidade, e assim, poderia compartilhar tudo aquilo que sempre soube, que sempre fui, que sempre sonhei ,mas poucos puderam entender.
Se o mundo das possibilidades um dia me largar...eu poderia tornar-me concreto, e parte sde todo esse misterioso e confuso cosmos pessoal, se tornaria palpavél a muitos...
Talvez parte dos problemas que tenho, perderiam a razão de existir...
Enquanto isso, eu procuro possibilidades em busca desse caminho...
Com frases ainda confusas,porém concretas, que, atráves do pobre código linguístico existente,
buscam explicações para coisas que nem mesmo eu entendo.. mas que, por instinto de sobrevivência,precisarei entender.
Enquanto esse dia não chegar.. a solidão continuará,a incompreensão me pertubará, e as dúvidas continuarão perturbando minhas conturbadas noites de "quase-sono".

terça-feira, 1 de abril de 2008

Quem sou eu pra mim?Quem sou eu pra você?

Essa pergunta realmente é dificíl, talvez impossível de ser respondida em sua totalidade...Mas eu tento ser aquilo que pra muitos é insuportável:sou o questionador sem limites...Tudo que me envolve é explorado até a exaustão...Minha inquietude me impede de conviver pacificamente com dúvidas...
O meu questionamento vai de dúvidas científicas a questões existenciais.. abrange o meu interior e todo o exterior...Minha tarefa perante a sociedade é questionar o senso comum, desafiar os conceitos tradicionais, "chutar" a moralidade hipócrita, gerar dúvidas existenciais nos outros, e fazê-los se sentirem e se conhecerem melhor... Quero mostrar que não existem coisas tão óbvias e muito menos simples,que tudo que criamos são universos envolvidos em cápsulas de vidro com filtros de imagens que nos incomodam.. Sabemos que elas existem, e que um dia podem quebrar o vidro.. mas enquanto isso ,acreditamos que aquela imagem representa a realidade.. Faço questão de quebrar suas cápsulas, quero deixá-los desprotegidos diante de tanta exposição...Agora,aprendam a andar despidos, porque não há meios de se esconderem mais...